ensaio novo #1

Vou te dizer: acho que errei na forma. Não me encontrei ainda nas entrelinhas. Pois faz sentido, nem fazê-las eu sei. Tenho a impressão de que errei na escolha das palavras. Ou me ative demais a um grupo seleto delas. Pois faz sentido, não sou dicionário ambulante… Reinventar-me. É disso que eu preciso para ontem. Recriar-me… Olha que está difícil. O Mundo tem me indisposto demais. Cheguei a um ponto no qual meu corpo está prestes a pedir a conta. Anda de birra comigo. Quiçá, queira mesmo é que eu o despeça. Pode ser. Continuando… Difícil. Amarga e seca. Intransigente. Inquieta. Lúcida. Meus últimos escritos parecem não mais dar corpo aos meus demônios… Essa coisa que é viver tem me impossibilitado de viver. Se não escrevo, estou morta. Ora, sobrevivo. Ora, persisto. É cruel o fardo. Eu, nada. Confusa.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s