ligas metálicas

“Que pra mim o amor que apraz é uma louca paixão. Um amor só satisfaz além da razão” (Nana Caymmi)

Parece-me que é forte. Mas, cessa. Às vezes arde, mas dentro de mim resta-me desejo amante que da partida desembrulha uma agonia deslumbrante. Não é que rima? E assim vai, pois quando começa a rimar nada mais tira-me o ar.

Nada mais prima, nem orna com tanta maestria. Deveria ser lei universal a não desestabilização desse terno universo. Quando tudo oscila: cinza, verde, cinza, verde e cinzas. Pó hostil, que lentamente cai: que se conforma quando desforma… E o vento levou.

Então, cá estou: cantando nosso funeral da maneira mais natural, na melodia mais harmônica e unilateral, porém, cheio de paixão. Uma paixão e algum amor escondido. Mas será que é isso? Amor? Paixão?

Ao mesmo tempo que me invade brutalmente e deixa o clima úmido me cobrir, faz magia que aquece. Faz da minha mão, a sua. Faz do seu gesto, o meu. E de todo o meu amor, seu.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s